ROTEIRO 021

PEDALADA MARGEANDO O RIO JEQUITINHONHA

DISTÂNCIA: 40 km de bicicleta por estrada de chão, sendo 6 km de ladeiras. 02 horas de barco descendo o Rio Jequitinhonha e 92,50 km de carro desde Santo André ou 138 km de carro desde Porto Seguro

DURAÇÃO: 08 HORAS (IDA E VOLTA) DESDE SANTO ANDRÉ

                     10 HORAS (IDA E VOLTA) DESDE PORTO SEGURO

IDADE MÍNIMA: 15 ANOS

DIFICULDADE: ( 1 à 5 ): 3 MODERADO

INCLUI: SEGURO INDIVIDUAL, LANCHE DE TRILHA, ÁGUA, ISOTÔNICO, GUIAS ESPECIALIZADOS, ALONGAMENTO ANTES E DEPOIS DA ATIVIDADE, BIKE COM CAPACETE, DESLOCAMENTO DE CARRO E PASSEIO DE BARCO PELO RIO JEQUITINHONHA. ALMOÇO OPCIONAL EM BELMONTE.

DESCRITIVO:

Saída de Porto Seguro ou Santo André de acordo com o local de hospedagem do cliente.

Deslocamento de carro até o povoado de Barrolândia. Seguimos por 08 quilometros até as margens do Rio Jequitinhonha e pedalamos por 32 km até o povoado de Boca do Córrego, onde embarcaremos junto com as bicicletas nas canoas e descemos o rio até a cidade de Belmonte.

Jequitinhonha" é de origem indígena e tem o significado de "rio largo e cheio de peixes"

Ele nasce na região da cidade de Serro, atravessa o nordeste do Estado de Minas Gerais e desagua no oceano Atlântico, em Belmonte, no estado da Bahia. Tem 1.090 km de comprimento.

O rio é navegável e os passeios de barco permitem ao visitante conhecer a pesca de robalo e carapeba, observar os remanescentes de Mata Atlântica, fazendas de cacau com seus viveiros de mudas e jardins de clone de cacau, fazendas de criação de gado, plantações de coco e banana.

Na foz do rio Jequitinhonha existem manguezais com a vegetação típica que inclui caules retorcidos, com o emaranhado de seus galhos rugosos e raízes entrelaçadas à mostra, além de uma fauna riquíssima. Belmonte é conhecida como a “capital do guaiamum”, porque as cheias do Jequitinhonha carregam argila para os solos avermelhados das margens do rio, que adquirem a umidade propícia à abundância desses crustáceos de coloração azul.

Situado numa planície entre o rio Jequitinhonha e o oceano Atlântico, o município de Belmonte floresceu nos bons tempos do cultivo do cacau, no final do século XIX.

A cidade de Belmonte fica na margem direita próxima da foz. Ao longo do leito existem ilhas fluviais: Inguaíra, França e Coroa Grande, além da Ilha do Meio, na foz.
 

O patrimônio arquitetônico é preservado e curioso, com traços mouros evidenciados e estilos que se misturam, desde o colonial até o neogótico. O centro de Belmonte abriga diversas edificações coloniais, como a do Sindicato Rural de Belmonte, do final do século XIX, a Prefeitura Municipal, do início do século XX e o Sobrado com mirante – de três andares, construído em 1897, com o brasão da Coroa Portuguesa – que oferece uma visão parcial da cidade, do rio Jequitinhonha e de fazendas de cacau. Não podemos deixar de mencionar também o lindo chafariz Escocês de ferro fundido construído no início do século XVIII trazido ao Brasil por um Barão do Cacau a pedido de sua filha, na ocasião de seu casamento. Este encontra-se na Praça das Bandeiras.

Visitaremos também a Cerâmica quatorze Irmãos da renomada Artesã Dona Dagmar, conhecida nacionalmente pelos potes gigantes confeccionados a mão com o barro retirado das margens de um afluente do Rio Jequitinhonha.

IMG_7528.JPG
IMG_7491.JPG
IMG_7505.JPG
ceramica dona dagmar.jpg
IMG_7513.JPG
IMG_7510.JPG
IMG_7520.JPG
IMG_7493.JPG
IMG_7638.JPG